quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Sem noção

Perdi a noção do tempo,
em horas vazias perdi a noção.
Perdi a noção das horas,
de tempos em tempos, perdi a razão.
Perdi o melhor do vento,
em branco e cinza, perdi a escuridão.
Perdi a noção da melodia,
de hora em hora, perdi a canção.
Perdi o melhor da vida,
em hora escondida, perdi a emoção.
Perdi aquele toque sutil,
de momento em momento, perdi a noção!
Claudia Muniz 01/12/2016

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Conto Invertido

De repente você se espanta
olha ao entorno e sente.
é que a tristeza é tanta
que nada sai da sua mente.
Vê atitudes em vão
Luta para ter felicidade.
Mas quando aperta o coração
O que vence é a maldade.
Não há esperanças mais
só descontrole e medo.
Aprende do que é capaz
chorando desde cedo.
É uma luta sem fim,
Luta e morre na praia.
Há um sentimento em mim
Do que fugiu da raia.
Acabou o conto, é findo,
se findou a historieta
Terminou o sorriso lindo,
Guarde o livro então, na gaveta.
Claudia Muniz
28/10/2016

Conto Invertido

De repente você se espanta
olha ao entorno e sente.
é que a tristeza é tanta
que nada sai da sua mente.
Vê atitudes em vão
Luta para ter felicidade.
Mas quando aperta o coração
O que vence é a maldade.
Não há esperanças mais
só descontrole e medo.
Aprende do que é capaz
chorando desde cedo.
É uma luta sem fim,
Luta e morre na praia.
Há um sentimento em mim
Do que fugiu da raia.
Acabou o conto, é findo,
se findou a historieta
Terminou o sorriso lindo,
Guarde o livro, então na gaveta.
Claudia Muniz
28/10/2016

sábado, 22 de outubro de 2016

Game over

Não se lembre de mim,
não se recorde de todo carinho,
nem do romance,
das séries na tv,
da gastronomia,
das brincadeiras fora de hora,
dos passeios inusitados,
dos cuidados sem medida.
Não, não se lembre de mim,
esqueça todos os dias,
nem pense em alegrias,
só nos momentos ruins.
Não, melhor não se lembrar de mim,
porque foi ruim cada minuto,
foi insuportável nossas viagens,
os dias pareciam intermináveis,
as horas nunca pareciam acabar.
Não, não se lembre nunca mais de mim...

Claudia Muniz
18/10/2016

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Poeminha

Com amor, com flor, com sonhos,
guarda, amor, meu coração tristonho,
porque está vindo a primavera,
e o meu mundo será só seu...

terça-feira, 29 de março de 2016

Brincar de viver

Não há nenhuma chance,
quando o Sol se expõe.
Não há possibilidade
de mudar o rumo.

Quando amanhece o dia
segue seu caminho.
Faz tão bem a uns e
a outros nem tanto.

Segue sua rota,
adormece,
morre...

É como quando
os olhos se abrem
ao amanhecer.
Não há mais chance,
tem-se que viver.

Há os descompassos,
há os descaminhos,
A tarde cai ligeira
é hora de se acalmar.

Quando chega a noite,
seguimos nossa rota.
Hora derradeira,
hora de esquecer!

Claudia Muniz 28/03/2016

quarta-feira, 23 de março de 2016

Jogos de Amor

Me perguntas se te quero, 
me indagas de que gosto? 
se desejo que me mordas
 ou se quero que me beijes.
 Me questionas o quanto te quero,
 bem suave aos meus ouvidos.
 Me perguntas do meu desejo,
 acariciando meus mamilos.
 Crava os dentes em meus ombros 
e me acende a alma fria. 
Me entorpece os sentidos
 e me vejo flutuando, 
alimenta minha calma, 
e acende meus instintos. 

Claudia Muniz 17/01/2015

Escolhida para compor o livro Antología de